25/01/2011 - 20:19 Atualizado em 25/01/2011 - 20:20

Consumidores recorrem à justiça contra juros abusivos

Moradores de Rio Preto reclamam de valores no financiamento de veículos

Da Redação/TV Tem

 

 

Consumidores que não conseguem pagar o financiamento de veículos recorrem a ações para forçar um acordo com os bancos. Se for comprovada a cobrança abusiva,  a justiça pode determinar a redução no valor das prestações.

 

Ricardo Expedido de Paula passou por dificuldades financeiras e atrasou três parcelas do financiamento do carro. Ele conta que a dívida que seria de R$1.5 mil passou a ser de R$3 mil, por causa dos juros abusivos do banco. A negociação não funcionou. "Meu carro estava quase quitado e não me deram chance de resolver. Só havia uma opção, quer era de fazer o pagamento de R$2.4 mil, que também seria um valor muito exagerado e eu não teria condições de fazer", conta Ricardo.

 

Com um mandado de busca e apreensão o banco retomou o carro. Ricardo diz que mesmo acertando a conta e depois de uma decisão favorável da justiça descobriu que o carro desapareceu. "Eles informaram que o carro tinha sido transferido para Santa Bárbara, que é um depósito deles e que já haviam solicitado o carro. Depois, eles entraram em contato novamente com o oficial, dizendo que o carro seria entregue na minha casa, o que não aconteceu até hoje", explica.

 

Clari Parizotto também enfrenta problemas  por causa dos juros do financiamento. Ela diz que pagou 24 prestações do carro, mas agora está endividada e não consegue mais manter as contas em dia. "Tenho a casa, duas filhas, então pagar as contas estava puxado. Quando você não consegue pagar no dia certo e atrasa, os juros são muito pesados e altos", reclama Clari.

 

Nesses casos a primeira orientação dos especialistas é manter as parcelas do financiamento em dia para evitar mais juros e garantir a posse do carro, geralmente os bancos recolhem o veículo depois de três meses de atraso no pagamento. O segundo passo é procurar ajuda de um advogado para negociar a dívida e se for o caso pedir uma revisão dos juros.

 

O advogado Maxwel José da Silva explica que uma decisão da Justiça pode reduzir o valor da prestação se a taxa de juros for abusiva ou diferente da que foi acordada em contrato. "O primeiro critério que o consumidor deve ter é pegar a cópia do contrato e ver qual é a taxa de juros que está sendo praticada. O passo a seguir é compará-la com a que está prevista no contrato, verificando se as duas são iguais. Depois disso, ele deve entrar no site do Banco Central e verificar a média da taxa de juros praticada pelo mercado. Se ele sentir que está havendo cobrança ilegal ou indevida, ele deve procurar um advogado para entrar com uma ação revisional de contrato", explicou.

Comentários

  • Nenhum comentário para esta notícia. Seja o primeiro a comentar.
AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Portal temmais.com. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Portal temmais.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.